Warning: include(/home/storage/0/39/ac/institutomarlinazul/public_html/pontao/site/wp-content/themes/defines.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in /home/storage/0/39/ac/institutomarlinazul/public_html/pontao/index.php on line 9

Warning: include() [function.include]: Failed opening '/home/storage/0/39/ac/institutomarlinazul/public_html/pontao/site/wp-content/themes/defines.php' for inclusion (include_path='.:/usr/share/pear') in /home/storage/0/39/ac/institutomarlinazul/public_html/pontao/index.php on line 9
Blog | Pontão Animazul

Blog

Vitória participa de Dia Internacional da Animação 2016

Postado em 26 outubro 2016

viagemnachuva_dia2016

 

Vitória é uma das 200 cidades brasileiras participantes do maior evento de cinema simultâneo do mundo. A décima terceira edição do Dia Internacional da Animação será comemorada em 28 de outubro, a partir das 20h30, no Cine Jardins, com uma sessão gratuita de curtas-metragens nacionais e internacionais com duas horas de duração. O público ainda curtirá durante a mostra o lançamento da animação “A Árvore de Humberto” que tem roteiro, desenhos e animação de alunos capixabas.

A mostra nacional reúne uma seleção de obras produzidas em diferentes técnicas de animação vindas do Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás e Minas Gerais. Já a mostra internacional exibirá produções da Inglaterra, Estados Unidos, Irã, Itália, Holanda e Suíça/Reino Unido. Os filmes estrangeiros têm classificação indicativa de 16 anos.

O evento tem realização da Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA) e, em Vitória, conta com a parceria do Instituto Marlin Azul e do Instituto Galpão.

O objetivo é difundir o cinema de animação em todas as regiões do país, proporcionar o contato do público com o trabalho de diretores brasileiros, estimular debates, revelar talentos, despertar o interesse do espectador por assistir filmes de animação. A mostra ainda quer reforçar a animação como técnica cinematográfica que pode ser utilizada para realizar obras de distintos gêneros (comédia, terror, romance, entre outros) e para várias faixas etárias.

O DIA também gera a integração cultural em todas as regiões do país, mobilizando diversas comunidades e facilitando a inclusão e o acesso da população à cultura. Algumas cidades também organizam, no decorrer da semana do evento, atividades paralelas como exibições de filmes regionais, oficinas e palestras.

Em Vitória, além da mostra oficial no Cine Jardins, o Sesc Glória, em parceria com o Instituto Marlin Azul, promoverá no mês de novembro sessões gratuitas com os filmes das Mostras Nacional e Internacional e exibirá a Mostra Infantil para grupos vindos das escolas. Este ano, o curta de animação Dinossauro Rex produzido pelo Projeto Animação, do Instituto Marlin Azul, fará parte da programação para crianças e adolescentes.

 

História

Em 28 de outubro de 1892, Émile Reynaud realizou a primeira exibição pública de imagens animadas do mundo do seu teatro óptico no Museu Grevin, em Paris. Para celebrar este marco, a Associação Internacional do Filme de Animação (ASIFA) lançou a comemoração contando com o apoio de diferentes grupos internacionais filiados. No Brasil, o Dia Internacional da Animação é realizado pela Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA) desde 2004.

 

Lançamento Capixaba

No Cine Jardins, em Jardim da Penha (Vitória-ES), o evento terá um brilho especial com a exibição da animação “A Árvore de Humberto” produzida em oficinas sobre a linguagem e as técnicas de animação do Projeto Animação. Com roteiro, desenhos e animação de alunos da rede pública, o filme é uma homenagem a um dos mais importantes diretores dos primeiros tempos do cinema nacional, Humberto Mauro (1897-1983).

Mineiro de Volta Grande, o cineasta realizou mais de 350 filmes entre longas e curtas-metragens nos gêneros ficção e documentário, no período de 1925 a 1974. O Projeto Animação é uma realização do Instituto Marlin Azul/Núcleo Animazul, com o apoio do Instituto EDP (IEDP), organização que coordena as ações socioambientais do Grupo EDP, e patrocínio da EDP, distribuidora de energia elétrica do Espírito Santo.

 

SERVIÇO

 

DIA INTERNACIONAL DA ANIMAÇÃO

28 DE OUTUBRO

Cine Jardins  (Jardim da Penha – Vitória – ES)

20h30

Entrada Franca

 

PROGRAMAÇÃO

 

LANÇAMENTO ESPECIAL EM VITÓRIA

 

A ÁRVORE DE HUMBERTO

Direção: Alunos da Rede Pública de Ensino de Vitória

2015 – Desenho em papel, Massinha, Recorte e Pixilation – 14’21’’- Vitória/ES

O filme homenageia a vida de Humberto Mauro, um dos pioneiros do cinema nacional.

 

MOSTRA NACIONAL – Classificação Indicativa 12 anos

 

NOTURNO

Direção: Aída Queiroz

1986 – 4’ – Rio de Janeiro/RJ

Abordagem dos movimentos equinos, explorando o ritmo e a beleza das formas.

 

O QUEBRA CABEÇA DE TARIK

Direção: Maria Leite

2015 – Stopmotion – 19’20’’ – Belo Horizonte/MG

Em seu laboratório subterrâneo, o cientista Tarik se prepara para receber a peça fundamental do seu grande projeto de vida.

 

INGLOURIOUS BILLIARDS

Direção: João Cardoletto

2016 – 2D Cutout e Tradicional – 4’10’’ – Rio de Janeiro/RJ

Um jogo de sinuca pacífico entre dois rapazes transforma-se em uma batalha acirrada quando o prêmio da disputa passa a ser a atenção de uma linda garota que acaba de chegar no local.

 

VIAGEM NA CHUVA

Direção: Wesley Rodrigues

2014 – 2D – 13’ – Aparecida de Goiânia/GO

A chuva assim como o circo percorre um longo caminho até seu lugar de destino. Quando se vão, ficam as lembranças.

 

CIÚME

Direção: Daniel Bruson

2015 – Animação 2D Digital – 3’41’’ – Sorocaba/SP

“Ciúme” é um videoclipe em animação que conta as violentas anedotas de um casal fofo e suas maneiras sanguinárias, obsessivas e charmosas de demonstrar seu amor um pelo outro. É o primeiro single do disco “Um Chopp e Um Sundae” (2015) do músico paulista Rafael Castro.

 

ATÉ A CHINA

Direção: Marão

2015 – Lápis no Papel – 15’ – Rio de Janeiro/RJ

“Fui pra China só com bagagem de mão. Na China os motociclistas usam casaco ao contrário e os restaurantes servem cabeças de peixe, lagostins e enguias. A funcionária do evento estuda cinema e gosta de filmes de Kung Fu. Comprei pés de galinha embalados a vácuo.”

 

MOSTRA INTERNACIONAL – Classificação Indicativa 16 anos

 

MILK OF AMNESIA

Direção: Jeff Scher

1992 – 6’ – EUA

Esta montagem animada é uma aproximação lírica, não-linear da forma como o cérebro organiza (e abandona) as coisas do cotidiano. O filme é uma celebração dos pequenos momentos da vida, um tango em rotoscopia através do labirinto da memória. O filme é composto por mais de três mil desenhos e pinturas.

 

VICENTA

Direção: Carla Valência

2014 – 5’ – Equador

Uma mulher do campo migra da Bolívia para o Chile, onde ela lava roupa para ganhar a vida. Ela enfrenta a pobreza sozinha enquanto espera por seu filho. Um dia, ele será preso pela ditadura de Pinochet.

 

WHEN I WAS A CHILD

Direção: Maryam Kashkoolinia

2014 – 8’20’’ – Irã

Uma mulher reflete sobre suas memórias e pesadelos de infância e o fato de que os pais muitas vezes usam histórias de monstros e fantasmas para assustar as crianças e mantê-las longe de possíveis perigos.

 

LA TESTA TRA LE NUVOLE

Direção: Roberto Catani

2014 – 7’50’’ – Itália

O sonho de uma criança durante uma lição da escola é interrompido abruptamente pelo mestre. “O educador” ameaça cortar uma orelha do pequeno estudante para “estimular” a concentração e evitar novas fugas da imaginação.

 

ENDGAME

Direção: Phil Mulloy

2015 – 6’ – Inglaterra

Depois de uma semana difícil no escritório George e Richard gostam de relaxar jogando jogos de guerra. Pequenas figuras em uma vasta paisagem em um nervoso ritmo para cima e para baixo. Marchas, canhões e uma densa fumaça escura sobe.

 

I LOVE HOLLIGANS

Direção: Jan-Dirk Bouw

2013 – 12’28’’ – Holanda

Um fanático torcedor de futebol sente amor incondicional por seu clube. No entanto, por ser gay, ele tem que esconder sua identidade, a fim de sobreviver neste mundo que é tão precioso para ele.

 

FIVE MINUTE MUSEUM

Direção: Paul Bush

2015 – 6’ –Suíça/Reino Unido

Uma animação experimental em que milhares de artefatos das coleções de pequenos museus são trazidos à vida em uma história animada do trabalho humano.

 

Dinossauro Rex no Dia Internacional da Animação!

Postado em 30 agosto 2016

Dinossauro Rex (1)
Este simpático dinossauro vegetariano vai longe!

O curta-metragem do Projeto Animação feito pelas crianças e adolescentes da Escola Mariano Ferreira de Nazareth, de Domingos Martins, no Espírito Santo, está na programação do Dia Internacional da Animação, comemorado em 28 de outubro.

Dinossauro Rex poderá ser visto em sessões organizadas por diversas cidades brasileiras. O DIA é uma realização da Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA) e, em Vitória (ES), conta com a parceria do Instituto Marlin Azul. Em sua 13ª edição, o evento tem como compromisso difundir o cinema de animação e o trabalho de diretores brasileiros em todas as regiões do país.

O curta-metragem também foi selecionado para a nona edição nacional do Festival Internacional de Filmes Curtíssimos, a se realizar em novembro, no Cine Brasília.

O Projeto Animação tem realização do Instituto Marlin Azul/Núcleo Animazul, com o patrocínio da EDP Escelsa, distribuidora de energia elétrica do Grupo EDP, e o apoio do Instituto EDP.

Projeto Animação está no Anima Mundi 2016

Postado em 30 agosto 2016

A Árvore de Humberto 4

 

O Anima Mundi 2016 levará para a categoria Futuro Animador o curta-metragem “A Árvore de Humberto” do Projeto Animação.
Com roteiro, desenhos e animação de estudantes da rede pública de Vitória, o filme é uma homenagem a um dos pioneiros do cinema brasileiro, Humberto Mauro (1897-1983), cuja produção cinematográfica se deu no período de 1925 a 1974. Mineiro de Volta Grande, o cineasta realizou mais de 350 filmes entre longas e curtas-metragens distribuídos nos gêneros ficção e documentário.

O Projeto Animação tem realização do Instituto Marlin Azul/Núcleo Animazul, o apoio do Instituto EDP (IEDP), organização que coordena as ações socioambientais do Grupo EDP, e o patrocínio da EDP, distribuidora de energia elétrica do Espírito Santo.

Outras duas animações capixabas produzidas a partir de oficinas sobre a linguagem e as técnicas de animação em escolas públicas também estão na edição 2016 do Anima Mundi: O Bicho do Buraco (EMEF Benônio Falcão de Gouveia – Itaúnas – Conceição da Barra) e A Mulher dos Três Desejos (EMEF José Cupertino – Afonso Cláudio), do Projeto Animazul Ambiental,, realizado pelo Instituto Marlin Azul em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo.

Os três curtas-metragens serão exibidos em outubro, no Rio de Janeiro, e em novembro, na cidade de São Paulo.

EDP e Instituto Marlin Azul lançam A Árvore de Humberto

Postado em 26 julho 2016

A Árvore de Humberto

Um dos mais importantes diretores dos primeiros tempos do cinema nacional, Humberto Mauro, é a inspiração para o filme “A Árvore de Humberto” feito por crianças e adolescentes da rede pública de Vitória dentro das oficinas do Projeto Animação. A realização é do Instituto Marlin Azul/Núcleo Animazul, com o apoio do Instituto EDP (IEDP), organização que coordena as ações socioambientais do Grupo EDP, e patrocínio da EDP, distribuidora de energia elétrica do Espírito Santo.

A primeira sessão de lançamento acontecerá no dia 29/07, às 10 horas, na EMEF São Vicente de Paulo, no Centro. No dia 03/08, a partir das 14 horas, será a vez da turma da EMEF Éber Louzada Zippinotti, em Jardim da Penha, ver o resultado das oficinas na tela. A escola fará três sessões para contemplar outras turmas e os pais dos alunos. A programação terminará no dia 04/08, às 10 horas, com a apresentação do curta-metragem na EMEF José Áureo Monjardim, em Fradinhos.

 

Como o filme foi realizado – A história foi elaborada durante a primeira oficina realizada, em agosto, na Escola Municipal de Ensino Fundamental “São Vicente de Paulo”, no Centro de Vitória. O roteiro utiliza trechos do curta-metragem “A Velha a Fiar”, dirigido por Humberto Mauro em 1964. Considerado um dos primeiros videoclipes do mundo, o filme é uma ilustração da canção popular “A Velha a Fiar”, interpretada pelo Trio Irakitan.

Com a orientação da cineasta Luelane Corrêa, os pequenos roteiristas construíram a história após uma semana de pesquisa, troca de ideias, análise do curta-metragem, interpretação da música e dramatização de um set de filmagem.

Depois de se conectarem com o roteiro, os alunos da segunda escola a participar, a EMEF Éber Louzada Zippinotti, de Jardim da Penha, tiveram o desafio de construir as cenas da animação a partir da experimentação de técnicas como desenho em papel, animação em massinha, recorte e pixilation (técnica de animar pessoas através do uso da fotografia digital).

Na terceira oficina, realizada na EMEF José Áureo Monjardim, em Fradinhos, os estudantes deram continuidade à produção das cenas. Ao final do projeto, o filme “A Árvore de Humberto” tem roteiro, direção, desenhos e animação de alunos do 6º ao 9º ano (5ª a 8ª série) de unidades de ensino fundamental da rede pública. Nas duas últimas oficinas a orientação ficou por conta dos animadores Rosaria Ferreira, Marcelo Perin, Marinéia Anatório e Ariane Piñeiro.

 

O homenageado – Nesta edição, o projeto faz uma homenagem a um dos pioneiros do cinema brasileiro, Humberto Mauro (1897-1983), cuja produção cinematográfica se deu no período de 1925 a 1974. Mineiro de Volta Grande, em Minas Gerais, o cineasta realizou mais de 350 filmes entre longas e curtas-metragens distribuídos nos gêneros ficção e documentário.

Interessava-se por mecânica, radioamadorismo e música. Quando a eletricidade chegou às cidades do interior, Humberto ficou fascinado com a novidade tecnológica. Por isso, seu primeiro trabalho foi instalar eletricidade em fazendas e sítios locais. Construiu, ainda, o primeiro aparelho receptor de rádio em Cataguases, onde viveu parte da sua vida.

Aos 26 anos, comprou uma câmara Kodak motivado pelo gosto por fotografia. Em Cataguases, conheceu o italiano Pedro Cornello, principal fotógrafo da cidade. Os dois compraram uma pequena filmadora Pathé-Baby de 9,5 mm com a qual gravaram o curta-metragem de aventura “Valadião, o Cratera” (1925).

A partir de financiadores locais, Humberto adquiriu uma filmadora 35 mm e centenas de metros de película. Depois fundou a Phebo Sul Américas Filmes. O primeiro filme da produtora “Na Primavera da Vida” (1926) contou com Humberto Mauro nas atividades de direção, roteiro, operação de câmera, cenário e iluminação. A segunda obra “Thesouro Perdido” ganhou o prêmio de melhor filme (1927).

Com a entrada de mais recursos, a Phebo Sul Américas Filmes cresceu e se transformou na Phebo Brasil Filmes, o que possibilitou ao realizador mineiro a produção de filmes em que podia expandir seu talento e criatividade. Nesta fase, uma das obras mais importantes é o clássico de cinema de arte “Braza Dormida”, distribuído pela Universal Pictures, responsável por transformar Humberto em um dos melhores diretores do cinema mudo do mercado mundial.

Os novos ares do cinema falado o levaram a integrar a equipe de realizadores da Cinédia. O musical “A Voz do Carnaval” (1933) sobre o carnaval carioca, co-dirigido por Adhemar Gonzaga, foi seu primeiro filme falado e lançou Carmen Miranda na carreira cinematográfica. Dentre outras obras, dirigiu ainda na Cinédia, “Ganga Bruta” (1933), seu filme mais conhecido e reconhecido.

Por meio de parceria com a atriz e produtora Carmen Santos, Humberto Mauro realizou sua produção de maior sucesso de público “Favella dos Meus Amores (1935)” e “Cidade Mulher” (1936), obras desaparecidas em um incêndio da Brasil Vita Filmes.

De 1936 a 1964, a convite do antropólogo Edgard Roquete-Pinto, trabalhou no Instituto Nacional de Cinema Educativo, criado pelo Ministério da Educação e Saúde, onde realizou centenas de documentários de curta-metragem sobre astronomia, agricultura e música. Fundou os Estúdios Rancho Alegre, em Volta Grande, através do qual produziu várias obras. Um dos últimos filmes desta etapa chama-se “Carro de Bois” (1974).

Faleceu em 5 de novembro de 1983, aos 86 anos de idade. Em seu último ano de vida foi homenageado no Festival de Cannes como um dos cineastas mais importantes do século XX. Muitos filmes desta personalidade do cinema podem ser encontrados no acervo da Cinemateca Brasileira, em São Paulo, e no Centro Técnico Audiovisual da Funarte (CTAV), no Rio de Janeiro.

 

A parceria IEDP e Instituto Marlin

Desde 2013, o Projeto Animação conta com o patrocínio da Distribuidora da EDP que atua no Espírito Santo e apoio do Instituto EDP. Nos últimos três anos, a parceria resultou na produção de outros filmes: “O Maestro do Tempo”; “Dinossauro Rex” (2014); “Nada, Nadador” (2015); “O Bruxo do Cosme Velho” (2015). Ainda este ano será lançado o mais novo filme resultante desta parceria. Em fase de finalização, o curta-metragem com roteiro e animação dos estudantes da rede pública de Vitória mostra uma viagem interplanetária feita por uma aluna curiosa e cheia de imaginação. Um exemplo da inventividade e qualidade da produção resultantes da parceria pode ser visto no youtube.com/institutoedp. Basta colocar na busca: Instituto EDP – Vinheta do Gato.

 

O que é o Projeto Animação – Criado em 2001, o Projeto Animação tem por objetivo desenvolver as formas de expressão, democratizando o acesso aos bens culturais pela população infanto-juvenil local. A cada edição, um novo filme é produzido por novas turmas de alunos, possibilitando a inclusão e o desenvolvimento do saber audiovisual para turmas de crianças e adolescentes.

Desde a criação do projeto foram realizados os seguintes curtas-metragens: “Mangue e Tal” (2002); “Portinholas” (2003); “Zen ou Não Zen? Eis a questão” (2004); “Vitória pra Mim” (2005); “Albertinho” (2006); “Ele” (2007); “Mestre Vitalino e Nós no Barro” (2008); “Um Fio de Esperança” (2009); “As Curvas de Niemeyer” (2010); “O Maestro do Tempo” (2013); “Nada, Nadador” (2014), “O Bruxo do Cosme Velho” (2015) e “A Árvore de Humberto” (2016).

Depois do lançamento, em cada edição, as obras seguem um roteiro de mostras e festivais locais e nacionais, multiplicando o acesso aos conteúdos por públicos de diferentes idades. Os filmes também são distribuídos gratuitamente para bibliotecas públicas, cineclubes e pontos de cultura.

 

SERVIÇO

 

Lançamento do Curta-Metragem “A Árvore de Humberto”

 

Data: 29/07 (sexta-feira)

Local: EMEF São Vicente de Paulo – Centro

Horário: 10 horas

Endereço: Praça Irmã Joséfa Hosana – Centro, Vitória – ES

Telefone: (27) 3223-4271

 

Data: 03/08 (quarta-feira)

Local: EMEF Éber Louzada Zippinotti – Jardim da Penha

Horário: 14 horas

Endereço: Rua Natalina Daher Carneiro, 815 – Jardim da Penha, Vitória – ES

Telefone: (27) 3235-1082

 

Data: 04/08 (quinta-feira)

Local: EMEF José Áureo Monjardim – Fradinhos

Horário: 10 horas

Endereço: Ladeira Modesto de Sá Cavalcante, 163 – Fradinhos, Vitória – ES

Telefone: (27) 3223-3944

 

MOSTRA ANIMAZUL

 

A Árvore de Humberto (14’21”, ES, 2016)

Roteiro, Direção e Animação dos Alunos da Rede Pública de Vitória

Sinopse: O filme homenageia a vida de Humberto Mauro, um dos pioneiros do cinema nacional.

 

Nada, Nadador! (15’, ES, 2015)

Roteiro, Direção e Animação dos Alunos da Rede Pública de Vitória

Sinopse: Inspirados no “Poema do Nadador”, do poeta Jorge Mateus de Lima (1893-1953), os alunos criam um curta-metragem de animação.

 

O Bruxo do Cosme Velho (15’, ES, 2015)

Roteiro, Direção e Animação dos Alunos da Rede Pública de Vitória

Sinopse: Uma viagem mágica até o coração e a mente de um dos mais importantes escritores brasileiros, Machado de Assis.

 

O Maestro do Tempo (16’, ES, 2013)

Roteiro, Direção e Animação dos Alunos da Rede Pública de Vitória

Sinopse: Uma homenagem ao grande compositor Heitor Villa-Lobos.

 

A Baleia e o Tesouro (5’, ES, 2014)

Roteiro, Direção e Animação dos Alunos da Escola Municipal Dr. Tuffy Nader

Sinopse: Uma baleia engolidora de gente guarda um tesouro precioso na boca do Rio Jucu.

 

Dinossauro Rex (3’, ES, 2014)

Roteiro, Direção e Animação dos Alunos da Escola Mariano Ferreira de Nazareth (Domingos Martins)

Sinopse: Rex era um dinossauro como outro qualquer até que decide rever seus conceitos.

Cine Animazul ganha novos brinquedos ópticos

Postado em 1 junho 2016

 

Brinquedos ópticos (14)

“Cara, eu nunca imaginei que fazer um flipbook no meu livro de matemática da terceira série ia me levar a isto”, exclamou o diretor Pete Docter ao receber o Oscar de Melhor Filme de Animação pela produção “UP: Altas Aventuras” durante a edição do prêmio, no ano de 2010. O comentário do cineasta norte-americano faz uma referência a esta clássica e primitiva técnica de animação que simula movimento ao virar as páginas de um livro rapidamente. O flipbook é um dos inúmeros exemplos de brinquedos ópticos.

Com o objetivo de ampliar os estudos e a experimentação sobre estes dispositivos mágicos, o Cine Animazul do Instituto Marlin Azul ganhará novos brinquedos ópticos, resgatando os símbolos do período do pré-cinema. A confecção dos instrumentos integra o edital de Cineclubismo proposto pela animadora Ariane Piñeiro com o patrocínio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult-ES).

Surgido a partir da década de 1820, o brinquedo óptico é um dispositivo óptico-mecânico capaz de criar a ilusão do movimento. Fundamenta-se na teoria da persistência da visão, ou seja, na fração de segundos em que a imagem permanece na retina. Inicialmente, utilizados para divertir as pessoas, estes mecanismos foram consecutivamente aperfeiçoados, contribuindo para o entendimento sobre o cinema de animação.

Durante a execução do projeto foram construídos três brinquedos ópticos (zootrópio vertical, praxinoscópio e fenaquistoscópio). Para a montagem dos instrumentos, a equipe utilizou materiais como madeira, metal, fórmica, alumínio, espelho, rolamentos e espuma.

Também foram montados 31 ciclos de animação (desenhos) para serem usados nestes dispositivos como modelos  figurativos pelos observadores, ou seja, pelos participantes de oficinas e de sessões de cinema. Os alunos iniciantes também poderão desenhar seus próprios ciclos de animação, tornando o aprendizado ainda mais lúdico e eficiente.

Os três brinquedos  demonstram o mesmo princípio da persistência da visão na criação da ilusão do movimento, no entanto, oferecem esta experiência de três maneiras diferentes.

 

Conheça os brinquedos construídos pelo projeto:

 

Zootrópio – Um dos brinquedos construídos foi o Zootrópio Vertical. O zootrópio tradicional é formado por um cilindro ou tambor oco em cujas bordas superiores estão fendas separadas uma das outras de forma simétrica. Dentro dos intervalos situados entre as fendas são dispostas 12 figuras diferentes e sequenciais que podem ser vistas através das fendas opostas. O zootrópio vertical construído difere-se do modelo tradicional apenas por ser posicionado de forma vertical sobre uma base de madeira.

Praxinoscópio – Este instrumento diferencia-se do zootrópio convencional porque as figuras animadas são observadas através da projeção dos desenhos num espelho circular instalado dentro do tambor ou cilindro. Deste modo, o praxinoscópio construído é formado por um cilindro ou tambor e, no seu interior, foi disposto um cilindro ou tambor menor coberto por espelhos.

Fenaquistoscópio – O brinquedo construído é definido por um disco preso pelo centro com uma paleta de madeira de modo a permitir girá-lo rapidamente. Dezesseis conjuntos diferentes e sequenciais de figuras ocupam as partes internas do disco. Ao segurar e girar o disco em frente a um espelho, quem observa através de ranhuras pode visualizar os desenhos em movimento. O fenaquistoscópio foi construído utilizando uma estrutura metálica e papel cartão grosso.

 

Página 1 de 2912345...1020...Última »
Voltar